4.2.11

Remédios gratuitos para enfermidades crônicas - As farmácias populares

Excelente a idéia da distribuição gratuita nas farmácias dos remédios necessários aos diabéticos e hipertensos, motivo da causa mortes de maior índice no País.
Dar força ao SUS para levar a saúde ao patamar dos países desenvolvidos nesta área é outra medida de grande avance.
Agora, resta saber:
Estão as farmácias preparadas para exercer esta função? O sistema de controle de distribuição foi devidamente analisado por profissional conhecedor destas enfermidades, os atendentes foram treinados, os médicos tem realmente controle dos pacientes necessitados destes medicamentos?
Paira uma preocupação séria e de difícil solução a curto prazo.
1º. O médico brasileiro em especial os das grandes metrópoles, não conhecem seus pacientes, sua história clinica, seus hábitos, bem como todas as nuances que envolvem esta disfunção orgânica vital.
2º. Por ser o atendimento tão self service nos ambulatórios, UPAS, centros de emergências como aquilatar a necessidade de que determinado individuo sim é patologicamente diabético ou hipertenso?
3o. E, onde colocaremos a ética? Houve treinamento? Existe treinamento para?
4º. Contempla o Programa reeducação médico/ paciente de controle alimentar?
Urge atender a população carente. Com toda certeza.
Oxalá todas as minhas inquietudes tenham sido contempladas nesta iniciativa da Presidente. Oxalá não caia novamente no populismo barato, que tanto mal tem feito ao Brasil que sonhamos e lutamos para ver diferente.

Um comentário:

Roberta Mendes disse...

Eduardo Galeano deve estar sempre na sua cabeceira, imagino. Também entrou para a minha insônia com seu O Livro dos Abraços, acordando a consciência há algum tempo distraída.

Obrigada por fazer refletir.

Arquivo do blog