28.8.11

Prece - Abel Silva


Dá-me coragem, Senhor

que não habita meu peito

mas cuja ausência, tão plena,

quem sabe me daria alento?

Dá-me coragem para merecer

a poesia de cada dia,

abra meus olhos sem paz,

alumia

e à minha fome dá sustento,

e não sacia.

Senhor, que eu não trema,

que eu não hífen,

que eu não tenha

o alívio e o vício

do covarde silêncio.


Que eu enfrente, Senhor

ausente e frio

o desassossego da assombrada

Estação do Estio,

onde não passa o bonde,

onde a palavra não encontra a melodia

e restam embaralhados todos os trilhos

travados nos desvios.
Abel Silva

Nenhum comentário:

Arquivo do blog